Para mim acho que a perfeição é fácil de se praticar, porque compreendi que basta pegar Jesus pelo coração...
Bom Dia! São José dos Campos, domingo, 25 de fevereiro de 2018

Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
SE UTILIZAMOS OS ÓRGÃOS DE UM INDIVÍDUO QUE TEVE MORTE CEREBRAL DECLARADA, ENTÃO, QUAL A DIFERENÇA DE INTERROMPER UMA GRAVIDEZ DE UM SER SEM CÉREBRO OU COM O CÉREBRO DEMASIADAMENTE PEQUENO, NO QUAL NÃO HÁ OCORRÊNCIA DE ATIVIDADE NEUROLÓGICA?


29/04/2012

Perguntas enviadas por Rafael F. Cominato

O que constitui a morte cerebral é a perda irreversível da função do tronco encefálico com a consequente perda da capacidade de ter consciência e da capacidade de respiração espontânea.
Mas quando falamos das crianças anencéfalas a situação é outra.
O termo anencefalia é impróprio, pois o encéfalo compreende várias partes: o cérebro, o cerebelo e o tronco encefálico. A criança anencéfala pode não possuir boa parte do cérebro, mas necessariamente possui o tronco encefálico, sem o qual não poderia sequer desenvolver-se e crescer. É o tronco encefálico que rege as funções vitais como, por exemplo, os batimentos cardíacos.
Então, não se pode dizer que a criança anencéfala não tenha sistema nervoso central funcionando e, portanto, não faz sentido dizer que ela esteja em estado de morte cerebral ou que nela não há vida.
À primeira vista parece ser a mesma coisa, mas de fato não é. É preciso tomar cuidado para que os valores cristãos não sejam postos em dúvida pelos argumentos que parecem perfeitos na sua forma mas não o são na sua realidade mais profunda.

Pe. Edinei Evaldo Batista
Administrador Paroquial

 

Voltar

 
| Política de privacidade © 2010 Paróquia Santa Teresa do Menino Jesus. Todos os direitos reservados.